PUBLICIDADE

segunda-feira, 21 de março de 2011

Proteja-se das principais doenças do frio

Já estamos no outono e as temperaturas começam a baixar. E as estatísticas nos mostram que já a partir de março e abril, passam a aumentar as incidências de doenças relacionadas ao frio.
A chegada do frio aumenta em até 40% a incidência de doenças respiratórias, principalmente as alérgicas como asma, gripe, resfriados e rinite. Além da queda da temperatura, que favorece a irritação das vias aéreas, o outono e o inverno costumam trazer a redução da umidade relativa do ar, uma maior concentração de pessoas em locais fechados e pouco arejados, além do uso de casacos de lã e cobertores guardados por longos períodos.
Alergias, doenças respiratórias, inflamações de mucosas e refriados trazem todo um mal-estar que acaba com nossa produtividade e tira o nosso sono. As crianças são as que mais podem sofrer com os efeitos do clima frio, por isso selecionamos algumas dicas que podem ajudar a melhorar a qualidade de vida da sua família nesse período.
Primeira providência: aproveite que o frio ainda não chegou com tudo e retire do guarda-roupa os casacos e cobertores que usará no inverno. Lave-os e procure já mantê-los em locais mais arejados. Troque cobertores por edredons.
Outra dica importante: procure manter a sua casa o mais arejada possível. Se começar a fechá-la desde já, você corre o risco de acumular umidade (ainda mais que estamos no período de chuvas), que poderá se converter em mofo – um grande inimigo do nosso bem-estar.
Na casa, tenha também esses cuidados: cortinas de tecido acumulam mais poeira e mais ácaros. Prefira cortinas de material sintético ou de material que possa ser limpo com pano úmido. Guarde os ursinhos de pelúcia em sacos plásticos.

Hidratação sempre: no frio, “esquecemos de tomar água”, não é mesmo? Mas a hidratação corporal é um dos grandes defensores da nossa saúde e bem-estar.
CONHEÇA AS PRINCIPAIS DOENÇAS RELACIONADAS AO FRIO:
Resfriado:
  • O que causa? Pode ser causado por mais de 200 tipos de vírus, sendo o Rinovírus o mais comum.
  • Quais os sintomas? Dor de garganta e coriza. O resfriado raramente provoca febre e dores musculares.
  • Como cuidar? Recomenda-se repouso, alimentação balanceada e ingestão de muito líquido. Analgésicos e antitérmicos podem ser utilizados, desde que seja sob orientação médica.
Gripe:
  • O que causa? Vírus Influenza
  • Quais os sintomas? Tem sintomas mais fortes do que o resfriado. O vírus penetra no organismo principalmente pelas mucosas e produz manifestações intensas como febre alta, dores no corpo, indisposição e obstrução nasal.
  • Como cuidar? A vacina contra a gripe reduz os riscos de contaminação em até 89% e mantém seu efeito por um ano. No entanto, é necessário ressaltar que, apesar da vacina, algumas pessoas podem ficar gripadas devido a imunização característica de cada um, embora os sintomas sejam mais fracos, semelhantes aos de um resfriado.
Rinite alérgica:
  • O que causa? É caracterizada por uma inflamação no revestimento interno do nariz. Na maior parte das vezes, o alérgeno é manifestado em forma de poeira doméstica ou ácaros.
  • Quais os sintomas? Minutos após o contato com a substância que provoca a alergia já podem começar os sintomas. O que dificulta o diagnóstico da doença é que nem sempre as pessoas identificam a causa de suas queixas. Geralmente ignorados, os sintomas da rinite se prolongam e o processo se complica. A rinite alérgica também pode propiciar o aparecimento de outros quadros infecciosos como amidalite, faringite, otite e sinusite.
  • Como cuidar? Muitas vezes, apenas manter-se afastado do alérgeno já é suficiente para eliminar a doença. Como nem sempre é possível o afastamento total, como no caso da poeira, a alternativa é ministrar medicamentos que reduzam a inflamação e controlem os sintomas. Dependendo da intensidade dos sintomas, é indicado o uso de vacinas, a chamada Imunoterapia.
Alergia: É uma reação do corpo a substâncias que podem ser encontradas em alimentos, roupas, animais, poeira, mofo. No inverno, as alergias típicas são as que envolvem o aparelho respiratório. Por isso, causam tosse e coceira nos olhos e na pele. Para tratá-la, primeiro vá ao médico para descobrir o que a causou. Os tratamentos devem ser prescritos por especialistas, que receitam desde antialérgicos e cortisona até vacinas.
Amidalite: Inflamação das amídalas, responsáveis por filtrar pela boca possíveis infecções para o resto do corpo. Pode ser causada por vírus ou por bactérias. Causa dor de garganta, febre, mau hálito e gânglio no pescoço.
Asma: Também pode ser chamada de bronquite asmática ou alérgica. Pelos nomes já dá para perceber que ela é causada por uma reação alérgica ou por infecção das vias respiratórias. É uma inflamação do pulmão e das vias aéreas, que congestiona os brônquios e impede a entrada do ar aos pulmões. A falta de ar e o chiado – aquele barulho de gatinho ao respirar, são os primeiros sintomas. Se não tratada, pode causar enfisema pulmonar. Os médicos costumam receitar as famosas bombinhas, além da inalação com soro fisiológico e medicação.
Bronquite: Ocorre quando os brônquios ficam inflamados e o ar não consegue chegar aos pulmões. Daí vem o catarro e a tosse seca com chiado. Se não for tratada, a tosse se agrava, aparecem escarros e a bronquite pode progredir para uma pneumonia. Uma forte fadiga, mal-estar geral e febre também podem ocorrer. Alergias, irritações pela fumaça ou fumo, podem causar a bronquite. Quem está com a doença não deve fumar ou ficar em locais fechados ou poluídos. Xaropes expectorantes eliminam o catarro. Inalação também é indicada, e médicos podem receitar antibióticos.
Faringite: É uma inflamação na faringe (localizada entre as amígdalas e a laringe) que deixa a garganta arranhada, com pus. Provoca também febre e dor de ouvido. O causador geralmente é uma bactéria, um vírus ou uma infecção em outro lugar do corpo, como o nariz. Dali ela pode se espalhar para a faringe e, se evoluir, pode virar meningite. Como tratamento os médicos recomendam analgésicos, pastilhas para dor de garganta e antibióticos.
Laringite: Surge quando ocorre uma inflamação na laringe, onde estão as cordas vocais, que não causa dor, mas provoca tosse seca e rouquidão. Pode aparecer sozinha ou ser um sintoma decorrente de uma bronquite ou pneumonia. Vírus, bactérias e bebidas muito geladas também provocam laringite. Não se deve fumar, ingerir bebidas geladas e gritar. Repouso e antibióticos são indicados.
Meningite: Muito temida e gravíssima, a meningite é a inflamação das leptomeninges, membranas que cobrem a medula espinhal e o cérebro. Pode ser causada por vírus ou bactérias, fungos ou parasitas ou até por uma gripe mal tratada. Febre alta, pescoço enrijecido, enjôos e dores de cabeça são os sintomas mais comuns dessa doença que exige acompanhamento médico permanente. Se não tratada adequadamente, causa seqüela cerebral e morte. Hospitalização e antibióticos são recomendados pelos médicos.
Otite: É a famosa dor de ouvido, causada por uma infecção bacteriana, muito comum em crianças. Em geral acontece por causa da migração de vírus e bactérias que infectam a garganta e se multiplicam devido a secreções no local.
Pneumonia: Infecção que pode acometer todo o pulmão ou parte dele, deixando os alvéolos pulmonares cheios de pus e de líquidos, o que impede a respiração correta. Em geral, é conseqüência de infecções respiratórias, bronquites, resfriados e gripes, causadas por vírus e/ou bactérias e fungos. Há diversos tipos de pneumonia e algumas podem piorar rapidamente exigindo hospitalização. Febre alta, tosse com escarro, dor no peito e calafrios podem ocorrer e os sintomas são mais fortes dependendo da área dos pulmões afetada. Antibióticos, inalação, não fumar, evitar ambientes fechados e descansar são as recomendações.
Sinusite: A sinusite é uma inflamação não-contagiosa que ataca a parte interna dos seios da face e deixa o nariz congestionado, provoca dor de cabeça, tontura, febre, inchaço nas pálpebras e mal-estar. Descongestionantes, analgésicos, antitérmicos e antibióticos minimizam o problema.

5 dicas para renovar os ambientes de sua casa sem gastar muito




Fazer a decoração de uma residência nem sempre é uma tarefa fácil. Quando o dinheiro está curto, então, projetos podem ser adiados ou abandonados devido aos custos. Mas  coloque em mente que sua principal ferramenta de trabalho para dar uma repaginada na sua casa tem que ser a criatividade – com ela é possível renovar os ambientes sem gastar muito.
  1. O primeiro passo é a pintura das paredes. Utilize sempre uma base clara e neutra como branco ou off white e escolha algumas paredes ou ambientes para abusar na cor. Isto já transformará o ambiente e você não precisará gastar com papel de parede, revestimentos em tecidos ou painéis de madeira. Hoje em dia, uma outra solução bacana e acessível são os adesivos para parede. Eles trazem desenhos e formas diversos, personalizados, e não custam caro, mas vale pesquisar, porque a variedade de preço é bem grande.
  2. Na hora da compra dos móveis vale pesquisar em pontas de estoque, feiras e até aguardar a troca de coleção do show room que normalmente acontece nos meses de janeiro e fevereiro. Se você já tem algum móvel, veja o que pode ser reaproveitado. Uma capa para o sofá ou uma nova pintura na mesa os deixará com cara de novos!
  3. Cortinas e tapetes são mais difíceis de serem reaproveitados, pois normalmente são feitos sobre medida para a janela ou o ambiente. No caso da cortina vale comprar o tecido em tecelagens, fazer a bainha você mesmo ou solicitar à sua costureira de confiança. Os suportes são facilmente encontrados em lojas especializadas. Já os tapetes podem ser comprados já cortados e não sobre medida, a redução do custo normalmente é drástica! Utilizar carpetes cortados sob medida também pode reduzir muito o custo.
  4. Quadros e telas são facilmente substituídos por espelhos (que além de decorar ampliam o ambiente) ou por fotos e ilustrações emolduradas. O custo deverá ser mais baixo.
  5. Na hora de produzir os ambientes com objetos vale sempre abusar das velas, porta-retratos, revistas de moda ou arquitetura (substituindo os livros de arte), flores e principalmente objetos que você já tenha. Isso fará com que a casa tenha a sua cara e seja repleta de boas lembranças.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Café: além de gostoso, ainda te ajuda nos cuidados com o jardim e na limpeza da casa e da cozinha


Quem não curte o ritual de despejar a água quente sobre o pó, sentir o aroma invadindo a casa e depois degustar o sabor único de um cafezinho fresco? Pois sabia que, depois de preparar um delicioso café, dá pra reaproveitar a borra que sobra no coador para cuidar da casa? Ela oferece maneiras simples, econômicas e ecologicamente corretas para resolver vários probleminhas em seu lar.
A borra do café, por exemplo, neutraliza os cheiros indesejáveis na geladeira.
Para isso, coloque borra seca de café dentro de uma gaze, num pote de margarina tampado e com furinhos. Deixe na geladeira.
Na cozinha: na hora de temperar o bife, espalhe sobre ele um pouco de borra de café. É isso mesmo!!! Além de a carne ficar muito mais macia, ela ganha um saborzinho diferente e bem gostoso. Todo mundo vai querer saber o seu segredo!
Na limpeza: todos nós enfrentamos objetos difíceis de limpar em nossas vidas. Se você tem uma panela que simplesmente não limpa, ou um cinzeiro cheio de manchas, a borra de café funciona como um limpador pode ser a solução para essa dor de cabeça. A borra é extremamente abrasiva e ácida, o que lhe dá uma vantagem quando se trata de limpeza difícil. Simplesmente misture com um pouco de água e em seguida esfregue com uma escova firme. Certifique-se de que os objetos que você vai limpar são resistentes a manchas. Caso contrário, você tem que fazer da limpeza um processo rápido, porque a borra de café pode tingir as superfícies.
Se você tem uma lareira, e a utiliza com frequência, isso exige uma limpeza periódica. A limpeza de uma lareira é um grande incômodo, uma vez que as cinzas que se formam são leves e arejadas, muitas vezes voando por toda a sua casa enquanto você tenta limpar. Mais uma vez, a solução para este problema comum está na sua cafeteira: a borra de café molhada. Antes de limpar a sua lareira, tome uma boa quantidade de borra molhada e coloque suavemente sobre as cinzas e a fuligem. Ela rapidamente começará a absorver a poeira, o que lhe permitirá limpar sua lareira sem bagunça nem dor de cabeça.
Um truque: a cafeína mata os ovos do mosquito da dengue e o cheiro da borra afasta o perigoso inseto Aedes aegypti. Salpique a borra dentro das bromélias e nos locais onde a água costuma empoçar. E, em vez de colocar apenas areia no pratinho dos vasos, misture uma parte de borra para cinco partes de areia, trocando esse composto uma vez por semana.
No jardim: para deixar as plantas mais fortes e bonitas, coloque um pouco de borra de café na terra dos vasos ou espalhe nas plantas do jardim, a cada quatro ou cinco meses. Por ser rica em nitrogênio (um dos principais componentes do solo e o mais consumido pelos vegetais), a borra é um excelente fertilizante. Além disso, protege as raízes contra fungos, e por isso seu uso é indicado para transplantar folhagens ou plantar mudas. Misture uma parte de borra de café em dez partes de terra. A borra também é excelente para limpar as folhas das plantas que ficam dentro de casa. Dilua uma parte de borra em cinco partes de água, molhe um pano ou algodão e passe. As folhas ficam brilhantes!
Agora se quiser acabara com as formigas, lesmas e caracóis, jogue a borra no formigueiro, no caminho das formigas ou na terra das plantas que se quer proteger. É tiro e queda! As formigas saem correndo de lá – e as lesmas e caracóis também seguem o mesmo caminho!
Na beleza: a borra de café pode fazer bem ao seu cabelo, especialmente se você tem cabelos escuros. Ela intensifica a cor do cabelo castanho ou preto, além de conferir brilho extra a eles. Esfregando a borra no couro cabeludo, você pode melhorar a saúde do couro, ajudando a evitar caspa. Quando você estiver no chuveiro e já lavou o cabelo, pegue um pouco de borra – não importa se ainda está molhada – e esfregue-a em todo o cabelo. Depois de ter espalhado e friccionado bem em seu cabelo, enxágue. É uma boa idéia fazer isto depois de usar o xampu e antes do condicionador, para ter certeza de que você realmente removeu toda a borra, evitando que fique algum cheiro no cabelo.
Nos cuidados com os animais: você também pode usar borra de café para tornar mais brilhante o pelo de seu cão. Algumas pessoas sugeriram que a borra pode servir no controle das pulgas. No entanto, embora a borra possa ser utilizada como um repelente de pragas em outras situações, nenhuma evidência sólida confirma que ela age como um repelente de pulgas.
Agora se o seu problema é ensinar o gato a não fazer xixi onde não deve, deixe um pratinho com a borra no local; ele não chegará nem perto! É preciso trocar a borra uma vez por semana. Jogar a borra de café no jardim tem o mesmo efeito. Aqui há uma ressalva: alguns gatos ignoram esse artifício, pois seu olfato não registra o cheiro de café como repelente. É questão de tentar.
E aquele desagradável cheiro que vem do ralo? Você pode usar borra de café cerca de uma vez por semana para resolver este problema. O primeiro passo é ferver um pouco de água, traga-a para a pia. Despeje cerca de meia xícara de borra de café no ralo, seguida imediatamente pela água quente. Você deve despejar pelo menos cinco xícaras de água fervente depois da borra. A água quente irá empurrar os grãos, garantindo que não entupirão o ralo. O encanamento deve permanecer sem odores por pelo menos uma semana após esta operação.
No artesanato: para dar efeitos diferentes ao artesanato ou pintura, misture um pouco de borra de café às tintas claras para obter um tom pastel, tons voltados ao marrom. Em peças de artesanato, a borra pode ser polvilhada sobre a cola úmida para obter um efeito decorativo em alto-relevo.
Estas foram dicas praticas e simples, que podem até ajudar a mudar alguns hábitos e melhorar as nossas vidas. O negócio é mesmo reaproveitar tudo que podemos, assim poupamos o meio ambiente, nosso bolso, e de repente até conseguimos economizar pra comprar aquele mimo pra gente!

terça-feira, 15 de março de 2011

Como prevenir e como eliminar o mofo da sua casa


Uma das coisas mais indesejáveis no lar da gente é o tal do mofo, não é mesmo? Mofo estraga tudo. Deixa as paredes feias, e o pior, o mofo em casa é um perigo para causar doenças respiratórias.
O termo mofo (ou bolor) é uma designação comum dada a fungos filamentosos que não formam estruturas semelhantes a cogumelos. Eles vivem principalmente em lugares úmidos e escuros.
Combinado com calor, então, o ambiente torna-se um prato cheio para o desenvolvimento de mofo. Mas é possível prevenir a aparição do bolor, como veremos nas dicas a seguir. E se o mofo já está fazendo parte do seu cotidiano, saiba como frear o seu crescimento e minimizar os danos.
NAS ROUPAS:
COMO EVITAR:
  • Peças pesadas (como casacos) devem ser expostas ao sol a cada seis meses;
  • Guarde as roupas no armário totalmente secas, e nunca dentro de sacos plásticos;
  • Roupas guardadas por muito tempo devem ser lavadas. Lembre-se de que os calçados também mofam e tudo é por causa da umidade – as dicas valem também para calçados.
COMO ELIMINAR:
  • Se o tecido não for delicado, esfregue na roupa uma mistura de sal, vinagre branco e suco de limão e coloque-a no sol;
  • Tecidos delicados devem ser lavados com leite e depois, com água e sabão neutro;
  • Roupas brancas podem ficar de molho em água sanitária;
  • Roupas coloridas podem ser umedecidas com suco de limão e água
NOS LIVROS:
COMO EVITAR:
  • Opte sempre por estantes abertas;
  • Espalhe pequenos chumaços de algodão com terebentina (um tipo de solvente de tintas) perto dos livros e troque-os a cada dois meses ou coloque cal virgem dentro de podtes de vidro abertos até a metade do recipiente e troque a cada seis meses.
COMO ELIMINAR:
  • Use uma escovinha macia e passe um pouco de vinagre delicadamente com muito cuidado para não manchar as páginas e espere secar antes de guardar.
NOS ARMÁRIOS:
COMO EVITAR:
  • Abra portas e gavetas uma vez por semana e deixe circular o ar;
  • Espalhe pedaços de giz escolar ou carvão, para absorver a umidade existente;
  • Certifique-se de que o móvel não ficará encostado em uma parede com umidade.
COMO ELIMINAR:
  • Esfregue um pano úmido no móvel e deixe aberto até secar por completo;
  • Se o mofo já deixou mofos, experimente limpar com uma mistura de água e água sanitária nas mesmas proporções.
NA CASA:
COMO EVITAR:
  • Deixe a casa sempre o mais ventilada possível, especialmente o banheiro e a cozinha;
  • Evite carpetes e cortinas.
COMO ELIMINAR:
  • Esfregue o local do mofo com uma mistura de medidas iguais de água e vinagre;
  • Nos azulejos, use uma mistura de cloro com água e deixe agir por cinco minutos.



Além das receitas caseiras, existem nos supermercados produtos tira-mofo, que normalmente vêm em embalagem com borrifador. Aplique o produto na área em que se encontra o mofo, aguarde alguns minutos e use uma esponja para remover.
Outra boa dica de como evitar o mofo é pintar as paredes e o teto do banheiro usando tinta anti-mofo. Antes de aplicá-la é importante limpar bem a superfície usando a misturinha de água sanitária, senão o problema volta.

Os cuidados ao escolher peixes e frutos do mar no supermercado ou na feira



Com a chegada do período da Quaresma, muitas famílias brasileiras estão substituindo as carnes do dia-a-dia pelo peixe.
Segundo os comerciantes, em 2011, essa troca parece ser também mais econômica, já que o preço do pescado está menor do que o da carne vermelha.
Os nutricionistas recomendam o consumo de peixe pelo menos duas vezes por semana. Isso porque, entre outras vantagens, peixes são alimentos ricos em ácidos graxos ômega-3, que são benéficos para saúde. O ômega 3 diminui o risco de doenças cardíacas, aterosclerose (endurecimento das artérias) e ajuda nas inflamações, no desenvolvimento cerebral e na regeneração das células nervosas.
E a melhor notícia é que peixe tem pouca gordura! É claro que existem algumas espécies gordurosas, mas, em geral, o peixe tem bem menos gordura do que carne vermelha e frango, e isso faz com que sua digestão seja mais rápida. E também por isso, é um excelente aliado para quem quer perder peso e controlar o nível de colesterol no sangue.
Mas quando a gente chega ao mercado ou à feira e vai escolher o peixe, bate a dúvida: como saber que o pescado está realmente fresco? Como conservá-lo e por quanto tempo? E o que observar no momento da compra se a opção for por frutos do mar?
O guia a seguir foi feito com a intenção de ajudar nessas dúvidas. As informações são do Portal Banco de Saúde. Confira!
O que observar na hora de comprar peixe fresco:
  • Aparência geral: não pode haver manchas, furos ou cortes na superfície.
  • Escamas: têm que estar bem firmes e resistentes. Devem estar translúcidas (parcialmente transparentes) e brilhantes.
  • Pele: úmida, tensa e bem aderida.
  • Olhos: devem ocupar toda a cavidade, estarem brilhantes e salientes, sem a presença de pontos brancos no centro do olho.
  • Membrana que reveste a guelra (opérculo): rígida, deve oferecer resistência à sua abertura. A face interna deve estar brilhante e vermelha e os vasos sanguíneos devem estar cheios e fixos.
  • Brânquias: de cor rosa ao vermelho intenso, úmidas e brilhantes, com ausência de muco (líquido pastoso).
  • Abdômen: aderidos fortemente aos ossos e de elasticidade marcante.
  • Odor, sabor e cor: característicos da espécie que se trata.
  • Conservação: devem estar sendo mantidos sob refrigeração ou sobre uma espessa camada de gelo.
Peixe congelado:
  • Conservação: certifique-se de que o produto está armazenado na temperatura de conservação informado pelo fabricante na embalagem. O produto não pode estar amolecido ou com acúmulo de líquidos, sinal de que passaram por um problema de descongelamento. A presença de gelo ou muita água indica que o balcão foi desligado ou teve sua temperatura reduzida temporariamente.
  • Aparência: valem as dicas anteriores.
Bacalhau ou peixe salgado seco:
No Brasil, é reconhecido como bacalhau todo peixe salgado e seco. Existem no mercado nacional 5 espécies de peixe diferentes: Gadus morhua (Cod) e Gadus Macrocephalus, que são reconhecidas como bacalhau legítimo, e Saithe, Ling e Zarbo.
As seguintes características devem ser observadas no momento de escolher um bacalhau:
  • O produto deve ser armazenado em local limpo, protegido de poeira e insetos. Verifique se não há a presença de mofo, ovos ou larvas de moscas, manchas escuras ou avermelhadas, limosidade superficial, amolecimento e odor desagradável, que indicam que o produto não está bom para consumo. Quando vendido embalado, deve apresentar no rótulo a denominação de venda, data de validade, país de origem, prazo de validade, selo de inspeção federal e outras informações obrigatórias.
Frutos do mar, crustáceos e moluscos:

  • Devem ter aspecto geral brilhante, úmido; corpo em curvatura natural, rígida, patas firmes e resistentes; pernas inteiras e firmes; carapaça bem aderente ao corpo; coloração própria à espécie, sem qualquer pigmentação estranha; não apresentar coloração alaranjada ou negra na carapaça e apresentar olhos vivos, destacados, cheiro próprio e suave.
  • Caranguejos e siris: devem estar vivos e vigorosos; possuir cheiro próprio e suave; aspecto geral brilhante, úmido; corpo em curvatura natural, rígida, patas firmes e resistentes; pernas inteiras e firmes; carapaça bem aderente ao corpo; coloração própria à espécie, sem qualquer pigmentação estranha e devem apresentar olhos vivos, destacados.
  • Mariscos: devem ser expostos à venda vivos, com valvas fechadas e com retenção de água incolor e límpida nas conchas; apresentar cheiro agradável e pronunciado; ter a carne úmida, bem aderente à concha, de aspecto esponjoso, de cor acinzentada-clara nas ostras e amarelada nos mexilhões.
  • Polvos, lula: devem ter a pele lisa e úmida; olhos vivos e salientes; carne consistente e elástica; cheiro próprio (levemente adocicado); e ausência de qualquer pigmentação estranha à espécie.